Páginas

6 de fevereiro de 2014

Sem segredos nem cerimônias

Todo dia, dou uma piscadela ou um sorrisinho sapequíssimo para Deus e começo nosso papo especial. Não temos segredos, nem cerimônias. Não falo toda a minha descendência para aí sim chegar no nome Dele. Não escondo absolutamente nada Dele, nem aquele brigadeiro que eu comi escondido estragando a dieta. Somos muito amigos e a gente se diverte muito juntos. Aposto que Ele morre de rir quando abro meu coração para Ele, afinal, às vezes sou demasiadamente ridícula, uma piegas incurável. E eu morro de rir com Ele quando percebo que me descabelei por tão pouco e só com um sussurro Ele me faz perceber como eu andei errado. Estar com Ele me alinha. Alinha meu coração com o Dele, alinha minha vontade com a Dele, alinha meus sonhos com os Dele. Estar com Ele me completa, me preenche, me renova, me anima, me acalma, me faz ninar. Se começo a chorar e minhas palavras se confundem com minhas lágrimas, de repente sinto uma paz me envolver e é como se alguém as colhesse, talvez para me mostrar que nenhuma das minhas lágrimas, em toda a minha vida, foram ignoradas.

Por que eu ocultaria algo de Deus, se ele sabe absolutamente todas as coisas e nada está longe demais para que ele não possa enxergar? Por que eu me esconderia do meu Criador, se maravilhosa e misteriosamente me criou e conhece desde meu pensar até o meu falar? Por que eu deixaria de revelar algo ao Senhor, se meus desejos e sonhos mais profundos e ocultos são como a luz do dia para Ele? Não há lugar algum no mundo onde eu possa me esconder da sua presença. Seus olhos percorrem toda a terra e nada é difícil demais para Sua maravilhosa Majestade. Por que então eu, tão pequena e frágil, ignoraria a amizade do Rei cujo Trono jamais terá fim?

Quando eu era criança, perguntei para minha mãe como um Deus tão grande poderia morar no universo e ao mesmo tempo em meu coração tão pequeno. Hoje eu sei a resposta. Quando oro, meu coração começa a bater junto com o Dele. Eu começo a ouvir a Sua voz, e ela é doce, muito doce. Não uso discursos prontos ou meras repetições, mas falo o que está em meu coração, do meu jeitinho, com as minhas palavras. A gente conversa, como quem conversa com aquele amigo de anos. Às vezes, eu choro. Às vezes, tenho crises de riso. Sempre deixo clara a minha vontade, mas logo em seguida digo para Ele: "eu sei que a sua ideia é bem melhor. Deixa ela prevalecer!" Não nos encontramos só uma vez no dia. Ficamos conversando o dia todo, mas há um momento que é todo Dele, especial só pra nós dois. Não tomo decisões sem falar com Ele. Conversamos sobre tudo, desde o fato de eu ter feito um bolo de chocolate e estar com medo de não crescer, até sobre com quem eu vou casar. De vez em quando, paro pra pensar: por que não entendi que orar é tão simples e tão poderoso antes? Deve ser porque eu estava muito ocupada tentando impressionar a Deus com as famosas frases articuladas tem-que-ter em uma oração. Mas não se preocupe. Ele não liga para a articulação das suas frases, Ele quer sinceridade. Porque o Deus que mora no universo foi feito sob medida para morar também em seu coração. Oração é isso. Difícil demais para você começar hoje mesmo a praticar?